Federal

Atualizado em 03/06/2017 10:46

Decisão do MPF em pedir prisão de Lula é síntese do retrocesso

Lula e como o Ministério Público se permite a ser agente de esquemas do retrocesso

A decisão do Ministério Público Federal de pedir a prisão do ex-presidente Lula e a devolução de R$ 87 milhões por uma suposta e futura aquisição do Tríplex de Guarujá é a síntese do retrocesso e da disponibilidade de setores de uma importante instituição do País a serviço de gerações comprometidas com o desserviço e a quebra do Estado Democrático.

É muito mais que patético e risível porque se presta a tentar fundamentar uma condenação sem uma única prova anexa ferindo princípios básicos do Direito de que, em qualquer parte ou sociedade do Mundo, a prova é elemento fundamental.

AH! A VELHA E FUNDAMENTAL PROVA

É tão crassa e grosseira a forma absurda de pedir a condenação, que bastaria levar em conta um exercício simples capaz de ser feito por qualquer denominado advogado de porta de cadeia de acatar a certidão do Cartório de Registro e Patrimônio de Imóveis para comprovar que a propriedade não é de Lula, mas da própria OAS.

A prova está lá nos Autos, mas a sanha desmedida protagonizada pelo arroubo ideológico à Direita comprometida pela

Grande Trama, também podendo ser tratado a serviço do Golpe, fez no geral interromper um processo democrático limpo conduzido por uma mulher proba, sem envolvimento com nenhum desvio, diferentemente na direção de Temer, Aécio e Cia, algozes e responsáveis por tudo de agora, flagrados em desvios de dinheiro público.

E o País paga o preço dessa irresponsabilidade a serviço de interesses do Capital internacional que já comanda a Petrobras e o mercado da Carne tendo parte do MPF despatriada avalizando este absurdo.

LAWFARE E O DOMINIO DO FATO

Na ausência de provas, o MPF se serve de depoimento do delator Ricardo da OAS na segunda versão, diferentemente da primeira, insinuando que o imóvel seria de Lula quando D. Marisa desistira do apartamento.

No mínimo, diante de um caso contraditório de depoimento testemunhal, a dúvida seria pro-réu, e não o contrário, algo sabedor por qualquer aluno de Direito.

Mas o papel desse grupo do MPF não é zelar pela, é forçá-la a ser o que não e se impõe na marra, estuprando a lei porque o objetivo é aniquilar Lula.

MAIS COMPROVAÇÃO

Ademais, essa parte do MPF que desonra os principais brasileiros da instituição e do Direito reproduz a consolidada doutrina usada por agentes do universo jurídico apropriando-se das Leis para forçar, perseguir e punir a qualquer custo, como se dá agora no caso Lula - este sofrendo a maior perseguição a um político mas saindo na essência livre de qualquer comprovação de delitos. 

Não há um único crime contra Lula, posto que esse argumento do tríplex não se sustenta nem nas orgias dos deslumbrados da Toga a serviço do retrocesso. 

O CASO ZÉ DIRCEU

Enfim, lembra conhecida perseguição e condenação ao ex-Ministro da Casa Civil, José Dirceu, condenado sem uma única prova no AP 470, o chamado mensalão, mas pela inventada argumentação de Rodrigo Gurgel e Joaquim Barbosa - carrascos de uma condenação sem provas, como eles próprios assumem nos Autos.

Não merecem esta parte do MPF e do STF mais apropriada para o lixo, o esgoto imoral.

Lula haverá de superar mas esta farta grosseria acompanhada pela indignação do Mundo