Esporte

Atualizado em 03/08/2017 14:08

Wilson Filho explica ausência em sessão, mas diz que votaria a favor de Temer

Deputado estava nos Estados Unidos e teve problemas em voo

O deputado federal Wilson Filho (PTB) enviou uma nota à imprensa, nesta quinta-feira (03), explicando sua ausência na sessão da Câmara Federal dessa quarta-feira (02), que não autorizou o afastamento do presidente Michel Temer (PMDB) do cargo para investigação de denúncia de corrupção passaiva, movida pela Procuradorioa Geral da República (PGR), no Supremo Tribunal Federal (STF).

Na nota, o deputado disse que se ausentou devido a problemas em conexão do voo dos Estados Unidos, onde estava, ao Brasil. No entanto, afirmou que se estivesse pressenta à sessão votaria contra o afastamento do presidente, como orientou o seu partido - o PTB.

Confira a nota

Problemas na conexão do voo dos Estados Unidos ao Brasil impediram que o deputado federal Wilson Filho (PTB) chegasse a tempo para votação da última quarta-feira (2), na Câmara dos Deputados. O deputado chegaria na manhã do dia 2 para participar da votação, porém a sessão, que se iniciaria à tarde, teve sua antecipação para às 9 horas, somado ao considerável atraso na conexão por um período de 7 horas, acabaram por comprometer a sua volta a tempo. Sua chegada se deu ainda na quarta, às 23h30.

Wilson Filho lamentou não ter participado da sessão que avaliou a admissibilidade de denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), encaminhada pelo procurador-geral da República a Casa (SIP 1/17). A Câmara dos Deputados negou a autorização para o chefe do Executivo do País ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal.

O parlamentar disse que, caso estivesse no Brasil, seguiria a orientação partidária e rejeitaria o afastamento do presidente, votando a favor do relatório do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que pediu a rejeição da denúncia.  Não há provas suficientes, juridicamente falando, que embase a abertura de investigação. Apesar da mídia noticiar muitos acontecimentos, eu li toda a denúncia e as provas não foram colocadas no documento. Mesmo a significativa impopularidade do Presidente não pode servir como prova jurídica para seu afastamento. Ele será investigado e julgado pelos seus supostos erros após o fim do mandato, não havendo impunidade caso ocorra culpa e danos comprovados , comentou.

Para Wilson Filho, o País vem conseguindo superar gradativamente a crise financeira, a partir das medidas adotadas pelo governo. Na opinião do deputado, o afastamento do presidente nesse momento afetaria diretamente a economia brasileira, causando instabilidade e provocando uma maior distensão social e política.  O povo não gosta do Presidente Temer porque a economia ainda não voltou a ter pujança. A população quer empregos, oportunidades, a solução dos seus problemas, a funcionalidade do governo e que as suas vidas melhorem. Precisamos dar resposta a isso imediatamente , finalizou.

Da redação