Estadual

Atualizado em 09/03/2018 09:11

TRE arquiva denúncia contra promotora da PB acusada de trocar dinheiro e cachaça por votos

Na sessão desta quinta-feira, três magistrados seguiram o entendimento do relator Breno Wanderley César Segundo, que considerou que a gravação que baseia a denúncia foi feita de forma ilícita - em um ambiente privado

legenda da imagem

Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) arquivou, no fim da tarde desta quinta-feira (8), a denúncia contra a promotora de Justiça Ismânia do Nascimento Rodrigues Pessoa da Nóbrega, suspeita de comprar votos para a mãe, a prefeita cassada de Mamanguape, Maria Eunice do Nascimento Pessoa (PSB).

Na sessão desta quinta-feira, três magistrados seguiram o entendimento do relator Breno Wanderley César Segundo, que considerou que a gravação que baseia a denúncia foi feita de forma ilícita ? em um ambiente privado.

Dois magistrados ? Sérgio Murilo Wanderley Queiroga e o recém empossado Carlos Martins Beltrão Filho ? votaram pelo instauração de uma ação contra a promotora, independente da forma como a gravação foi realizada, porém foram vencidos pela maioria.

Ismânia Nóbrega chegou a ser afastada do cargo após decisão do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Porém, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a suspensão do afastamento.

Segundo o processo, que conta com áudios e relatos de testemunhas, a tese de crime eleitoral tem como base o previsto no artigo 299 do Código Eleitoral. Ela teria oferecido  dinheiro e vantagem ilícita para a obtenção de voto, conduta incompatível com o exercício do cargo .

Na época candidata, a mãe da promotora foi eleita prefeita com 52,7% dos votos, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Porém, Maria Eunice do Nascimento Pessoa (PSB), e da vice dela, Baby Helenita Veloso Silva (PRTB), tiveram os mandatos cassados por compra de votos ? com oferecimento de supostos empregos, dinheiro, combustível e cachaça ? e por abuso de poder econômico durante as eleições municipais de 2016. As informações são do G1.

A irmã da promotora, Danielle Aranha, publicou uma mensagem em seu perfil no Facebook fazendo agradecimentos pela absolvição.

Veja: