Esporte

Atualizado em 17/05/2018 09:51

Troca troca na FPF: Rosilene Gomes pode está articulando na surdina volta à entidade que comandou por 25 anos

legenda da imagem

Considerada no passado a  dama de ferro do futebol paraibano , a ex-presidente da Federação Paraibana de Futebol Rosilene Gomes, de 74 anos, pode está orquestrando,  na surdina , a volta ao comando da Federação Paraibana de Futebol, a FPF,, após os desdobramentos da Operação Cartola, que desmontou um esquema fraudulento no Campeonato Paraibano.

Ela passou 25 anos no comando da entidade.

As investigações da Polícia sobre a corrupção no futebol paraibano, encontrou pistas sobre a susposta  trama  de Rosilene para voltar a FPF.

iInicialmente, em depoimento no dia 26 abril deste ano, na Delegacia de Defraudações e Falsificações de João Pessoa, ela falou dos problemas de saúde e da fase difícil pela qual passou em 2014 após seu afastamento da FPF, forçado pela Justiça. Disse ter sido aconselhada por médicos para jamais pensar em voltar ao mundo do futebol.

Entretanto em conversas telefônicas com o José Renato, ex-presidente da Comissão Estadual de Arbitragem de Futebol da Paraíba (Ceaf-PB), pouco mais de dois meses antes, conforme uma interceptação telefônica realizada pela Polícia Civil, ela revelou que pretendia ser candidata nas eleições deste ano para a presidência da entidade.

O Fantástico teve acesso a essa escuta e ao depoimento de Rosilene Gomes para o inquérito que apura, dentre várias irregularidades, a compra de árbitros e a manipulação de resultados no futebol paraibano. Em um dos diálogos registrados pela Operação Cartola, datado do dia 14 de fevereiro, contradizendo o seu depoimento dado à polícia, a ex-dirigente, que passou 25 anos no poder da FPF, discute com José Renato o cenário político da entidade e traça estratégias para o próximo pleito.

A volta de Rosilene pode ser favorecida pelo afastamento do presidnte da FPF Amadeu Rodrigues. um dos alvos da operação policial que investiga um esquema de corrupção no futebol do Estado Ele foi afastado pela Comissão de Ética da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que já nomeou um interventor na entidade fultebolística.

Segundo um relatório da Polícia Civil, Amadeu Rodrigues, influenciava diretamente nas decisões do Tribunal de Justiça Desportiva de Futebol da Paraíba  (TJDF-PB).