Estadual

Atualizado em 20/11/2018 08:09

Levantamento aponta que saída de médicos cubanos causa prejuízo para 78 cidades paraibanas, sendo que 9 ficarão sem médicos

legenda da imagem

Após o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, ter afirmado que dará continuidade ao Programa Mais Médicos, desde que os profissionais cubanos se submetam ao Revalida, prova que verifica conhecimentos específicos na área médica, e também recebam integralmente o salário, além de poderem trazer a família para o Brasil, o Ministério da Saúde de Cuba tomou a decisão de abandonar o programa Mais Médicos no Brasil.

A decisão trará um impacto muito grande para o Estado da Paraíba porque significa uma perda enorme de médicos cubanos nas regiões do Agreste, Cariri, Curimataú, Sertão e Alto Sertão, disse a secretária estadual da Saúde, Cláudia Veras. Afinal, a Paraíba tem 355 médicos do Programa Mais Médicos dos quais 129 são de Cuba.

Atualmente, a Paraíba tem 355 médicos do Programa Mais Médicos, dos quais 129 são de Cuba. Cerca de 25% dos médicos do Saúde da Família na Paraíba são do Programa Mais Médicos. Existem médicos cubanos em 78 municípios da Paraíba, mas em 9 deles, todos são médicos cubanos. São eles: Assunção, Barauna, Bernardino Batista, Cajazeirinhas, Carrapateira, Caturité, Santa Cecília, Santarém (Joca Claudino) e Serra Grande.

Por outro lado, o secretário da Saúde do Município de João Pessoa, Adalberto Fulgêncio, informou através de sua assessoria que a saída dos médicos cubanos da Paraíba, não afeta o atendimento nos Postos de Saúde da Família na capital, porque não há nenhum médico cubano trabalhando nos PSFs locais. Ele disse ainda que o Programa Mais Médicos também existe na capital, mas funciona sem médicos cubanos.

O presidente da Federação dos Municípios da Paraíba, José Antônio Vasconcelos da Costa, e o secretário executivo da instituição, Pedro Dantas, estiveram ontem em Brasília, com diversos prefeitos onde participam do Encontro dos Municípios Brasileiros. Na ocasião, os gestores cobraram do atual presidente Michel Temer, a imediata substituição dos médicos cubanos, a fim de garantir atendimento à população paraibana.

Lançado pela Presidência da República, no dia 8 de julho de 2013, durante o governo Dilma, o programa Mais Médicos faz parte de um amplo pacto de melhoria do atendimento aos usuários do SUS, firmado com estados e municípios. O objetivo foi ampliar o número de médicos nas regiões carentes do país.