Federal

Atualizado em 07/01/2019 09:12

Bolsonaro dá posse nesta segunda a presidentes de bancos públicos

legenda da imagem

O presidente da República, Jair Bolsonaro, dará posse nesta segunda-feira (7) aos presidentes dos maiores bancos públicos do país: Caixa Econômica, Banco do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Bolsonaro quer que eles ajudem a reforçar os cofres do governo, vendendo empresas controladas pelos bancos.

O futuro presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse que pretende vender na Bolsa de Valores ações de pelo menos duas subsidiárias, como a Caixa Seguridade, ainda neste ano.

A Caixa vai focar nos clientes de menor renda, na parte imobiliária que é exatamente sua grande vantagem comparativa, afirmou.

No Banco do Brasil, quem assumirá o comando da instituição será o economista Rubem Novaes.

A presidência do BNDES ficará com Joaquim Levy, ministro da Fazenda no governo Dilma Rousseff e atualmente ocupando cargo de diretor do Banco Mundial, em Washington.

Reunião ministerial

Na terça-feira (8), Bolsonaro vai fazer a segunda reunião ministerial. A expectativa é de que os ministros devem apresentar o resultado de uma avaliação sobre normas burocráticas que podem ser revogadas para dar mais eficiência ao governo.

A grande expectativa é em relação ao anúncio de medidas para a Previdência. A equipe econômica vai apresentar a proposta final de reforma ao presidente Bolsonaro ainda nesta semana.

Analistas dizem que, depois dos desmentidos da última sexta-feira (4), o governo não pode demorar muito para apresentar medidas concretas para a economia, principalmente em relação à reforma da Previdência, que é a questão mais importante para começar a colocar em dia as contas públicas do país.

Na avaliação do economista Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central, o governo precisa definir o que pretende para a área.

Pode ser o do [Michel] Temer. Pode ser outro projeto. Pode ser uma coisa completamente diferente, mas precisa ter uma coisa que é colocada para sociedade, para sociedade entender, disse.

Segundo ele, é preciso colocar as cartas na mesa e deixar claro qual é o programa econômico para os próximos quatro anos. Na questão previdenciária, na questão de privatização: vai ter Petrobras, não vai ter Petrobras. Vai ser Eletrobrás, não vai ser Eletrobrás. Vai ser parcial, vai ser total, ponderou.

O ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega avalia que o ministro da Economia, Paulo Guedes, já mostrou que sabe quais são os desafios do país e que o governo deve aproveitar essa fase de lua de mel, quando tem forte apoio popular, para aprovar as mudanças nas regras da aposentadoria e frear o crescimento da dívida pública, que já representa quase 80% de tudo o que o país produz.

 

Pode ser até que a reforma da Previdência passe sem essa coalizão partidária. Porque, tradicionalmente, o presidente do Brasil tem um período de lua de mel. Nesse período de lua de mel, o Congresso tende a ser mais receptivo a medidas ousadas e o presidente pode usar a legitimidade que ele obteve nas urnas, o apoio popular, a sua popularidade, a expectativa da sociedade com seu governo, para obter aprovação da reforma da Previdência, afirmou.